segunda-feira, janeiro 15, 2007

Já há Velho e Reimoeiro



A Comissão da Festa de 2007 já procedeu à escolha do Velho da Bugiada e do Reimoeiro. São eles, respectivamente, Joaquim Brito e Vitorino Oliveira. O primeiro tem a particularidade de ser "repetente" na função, o que já não acontecia desde inícios dos anos 90. Um dos motivos de ter sido escolhido prende-se com o facto de ser um dos que completam 50 anos durante o ano de 2007. De facto, e como tivemos já ocasião de referir, a edição deste ano da festa de S. João de Sobrado é organizada por um conjunto de sobradenses que têm em comum o facto de terem nascido em 1957 e que, por conseguinte, fazem este ano 50 anos.
[Na foto: as barretinas do rei mouro (Reimoeiro) e do Velho da Bugiada, os chefes, respectivamente, dos Mourisqueiros e dos Bugios]

2 comentários:

pedro vale disse...

Ultimamente temos assistido a varias transformações no seio da organização da festa, umas com as quais concordo (a sua maioria)outras com as que concordo menos, mas isso é outra conversa. Esta nova forma de se escolher a comissão este ano foi uma das melhores ideias dos últimos tempos. Pessoalmente tenho nos últimos anos feito partes de comissões (oficial e não oficialmente), e são sempre as mesmas caras com um ano de intervalo, as vezes nem isso. Não digo isto com um tom depressiativo, muito pelo contrario se não fossem essa mesmas pessoas a festa não era aquilo que era hoje. Mas o que é verdade é que as pessoas cansam-se, pois dá trabalho, gasta-se muito dinheiro (paga-se para trabalhar) e ouvem-se "insultos" daqueles que só criticam e nada fazem.
Assim acho que se devia manter esta forma de se escolher a comissão, pois muitas pessoas que nunca parteciparam teriam essa oportunidade, e não saturavamos os do costume. E claro que a experiencia de muitos que não fizessem parte desta faixa etária seria sempre bem vinda.

Manuel Pinto disse...

Caro Pedro Vale, obrigado pelo comentário e pela questão que levanta. Se bem entendo, o que sugere é que a festa passasse a ser organizada pelos (e, já agora, pelas) que no ano em causa completassem 50 anos.
A ideia é interessante, mas quebra a lógica do voluntariado. Este ano os que estavam nessa circunstância quiseram tomar esta iniciativa. Mas não é seguro que isso se possa transferir para os dos próximos anos.
De qualquer modo a ideia fica: é encontrar outras formas de constituir as comissões de festas.
Mas, já agora, introduzo um ponto mais: porque é que as as mulheres hão-de ficar de fora? Elas são tão ou mais capazes de organizar as coisas, como já têm demonstrado em Sobrado. Ou não?