domingo, fevereiro 18, 2007

Bugios em festas privadas

Numa casa de Sobrado que fornece serviços de casamentos assisti ontem a um acontecimento inesperado: no momento do repasto, após os aperitivos, em que se serviu o primeiro prato, um bugio - de facto, uma bugia - irrompeu na sala, à frente dos empregados que se aprestavam para servir as mesas e ao som da marcha de S. João. Disseram-me que se tratava de uma inovação que se experimentava pela primeira vez, como forma de distinguir aquela casa sobradense de outra qualquer noutra parte do país (de facto, noutras quintas análogas, surgem muitas vezes, moças trajadas à moda minhota ou, como também se diz, vestidas com traje à vianesa).
Neste caso, a bugia, devidamente trajada e mascarada, esboçou uma dança ao som da música e recolheu de imediato, não voltando a aparecer.
Isto fez-me lembrar um "jantar" de festa, há muitos anos, em que, no final, alguém colocou num gravador de som uma cassete com a música da Bugiada. Era ver quase todos os comensais a levantar-se e a dançar também ao som da música.
Aos leitores deste blogue, em especial aos sobradenses, pergunto: que lhes parece este tipo de iniciatiavs e manifestações? Conhecem ou participaram noutras iniciativas parecidas?

10 comentários:

Anónimo disse...

Acho este tipo de manifestações um processo normal que se registra em todo o Portugal.
Gostava de saber qual era a música que acompanhou a dança da bugia e por quem foi tocada?
Barbara

Manuel Pinto disse...

A música foi a da marcha da Dança de Entrada e foi executada pela instalação sonora do espaço em que se encontravam os convivas, a partir de gravação.

pedro vale disse...

Julgo que deviamos cingir estas manifestações ao essencial: o dia de SÃO JOÃO e a programas culturais devidamente comentados para que a nossa bela tradição não sejs confundida com palhaçada. Que pensaram as pessoas, que deslocadas da nossa realidade que nesse jantar assistiram a isto?

Anónimo disse...

em primeiro, gostaria de dizer ao senhor Pedro Vale que concordo com a sua opinião porque se as pesoas se começam a vestir de bugios em qualquer altura do ano,(e até mesmo em jantares) acaba com a tradição do dia de S.João e passa a ser uma manifestação habitual em que qualquer um pode usar e abusar da tradiçao da festa de S.João(incluindo a música que para mim só tem significado ser tocada no dia da festa)! em segundo, gostaria de comunicar ao autor do blog uma vez que disse que quando soubesse de novidades poderia partilhar,anuncio que hoje à noite na Casa dos Bugios vai haver uma festa de Carnaval para toda a população de Sobrado e também para quem não é de Sobrado,apenas não sei a hora!Sei que esta festa nada tem a ver com a festa de S.João,mas é organizada por elementos da comissão da festa de S.joão e que são de Sobrado! fique bem e mais uma vez desculpe a invasão!

Anónimo disse...

acho uma parvoice este tipo de ocasioes!!poupem.me por amor de deus!!que eu saiba aqilo supostamente era um casamento nao o "Carnaval"!!!Pq esse traje realmente é valorizado na festa de S.joao e ai sim!!!ah so mais uma coisinha !mais fotos tah??pq ja diz o titulo do seu "blog" q e sobre sobre os bugios e os mourisqueiros, nao sobre a vida privada dos outros!!tah?
pense no q eu disse pq o q eu digo é verdade!!
Nuno!! =D

TsiWari disse...

aquele sabor especial, que só entende quem vive a festa, só poderá ser usufruído de forma inteira no dia de S.João, no local do costume.

de forma análoga dirá quem o fado ouve nas casas próprias de Lisboa ou Coimbra.

o mesmo, não será nunca.

mas o inevitável acontece também agora... fica alguma tristeza, apesar de tudo.

sao disse...

Sinceramente não acho tratar-se de "local,hora e dia" adequados á demonstração das bugiadas, defendo que deveriamos resguardar a festa não a expondo desta maneira futil. O intuito pode ser bom ( demonstrar a nossa cultura) mas o resultado pode ser desastroso ( vulgarização e perda da tradiçao e cultura).
Contudo e como se costuma dizer " de bugio vai quem quer..."

Anónimo disse...

De facto de bugio pode ir quem quer porque não é proibido e a festa é de todos,mas acho que não devem ir aonde querem! Porque se assim fosse, em qualquer altura do ano uma pessoa lembrava-se e vestia-se de bugio! A tradição deve ser preservada para poder durar muitos e longos anos,pois caso contrário perde-se o sentido da festa!
Sílvia

sao disse...

foi exactamente isso que quis dizer... e aliás, acho que disse (!?), no entanto o que quis dizer com a expressão " de bugio vai quem quer..." é que não existem restriçoes e que o vestir de bugio no dia 24 ou noutro dia qualquer ( só porque apetece ou por outra coisa qualquer) cabe ao bom senso de cada um... E esse " bom senso" não se compra no supermercado, constroi-se desde cedo ( preferencialmente quando ainda se é pequenino).

Anónimo disse...

Cara São, com o meu comentário não pretendia ofender o seu, pois na verdade o que pretendia por um lado era concordar com ele e por outro dar a minha opinião, porque entendi o que quis dizer no seu comentário!
Sílvia