terça-feira, abril 10, 2007

O Rei dos Bugios e Dois Homens



Fabelesel

Caminhavam dois companheiros, tendo perdido o caminho, depois de terem andado muito, chegaram à terra dos Bugios. Foram logo logo levados ante o rei, que vendo-os lhes disse: - Na vossa terra, e nessa por onde vindes, que se disse de mim, e do meu reino? Respondeu um dos companheiros: - Dizem que sois rei grande, de gente sábia, e lustrosa. O outro, que era amigo de falar verdade, respondeu: - Toda vossa gente são bugios irracionais, forçado é que o rei também seja bugio. Como isto ouviu o rei, mandou que matassem a este, e ao primeiro fizessem mimos, e o tratassem muito bem.

(Esopo, Fábulas, vertidas do grego por Manuel Mendes) e há dias trancrito por J. Pacheco Pereira, no Abrupto

5 comentários:

Fábia disse...

Terá sido daqui que o prof. Hermano tirou a ideia dos bugios bárbaros? è uma possibilidade.Mas é bom saber que até Esopo já dissertou sobre os bugios e o seu rei.

Anónimo disse...

Caro senhor Manuel Pinto tenho uma dúvida que não se relaciona muito com este post,mas saberá dizer-me porque associaram o nome "bugio" aos cristãos? porque andei a pesquisar o significado da palavra e fiquei admirada quando vi que o significado de bugio é um macaco ou primata neotropical!
Sílvia

Manuel Pinto disse...

Sílvia, a sua questão já eu a pus muitas vezes, mas não sei responder com rigor. Houve autores que escreveram sobre a festa de Sobrado e, ao caracterizarem os Bugios, aludiam aos saltos e guinchos e gritos que eles soltam, estabelecendo a comparação com o tipo de macacos bugios, frequentes em terras brasileiras. Mas isto não passa de uma conjectura. Será que os séculos XV-XVI-XVII, de onde é possível que tenha surgido a festa e que corresponde ao período da Expansão e "Descobrimentos" influiu nesta designação? Será que outras festas importantes (nomeadamente de Corpus Christi, em que houve Bugiadas) terão sido marcadas por esse "encontro" com o "novo mundo" que se abriu aos europeus no Renascimento? Ficam as perguntas, que são o melhor caminho para ir avançando na procura das respostas.

Anónimo disse...

Olà Senhor Manuel Pinto! sou Ana novamente, quisesse perguntar-lhe a que se refere quando diz:
"Quando a hora é de dança, os saltos são impressionantes" ¿Como são esses saltos?.

Tambem quisesse saber onde posso ver o filme "Bugiadas", do realizador Ângelo Peres que mostra a festa de S. João de Sobrado de 1977...
Esperando sua pronta resposta, até um pròximo comentário.....Ana

Manuel Pinto disse...

Ana, a frase talvez contenha algum exagero. De um modo geral, não se pode dizer que as danças se caracterizem propriamente por saltos. Mas há duas alturas em que os saltos são bem vísíveis: uma é no fim da Dança de Entrada dos Bugios, já a chegar ao adro da igreja. Aí, o remate é feito com um ritmo que combina a corrida com o salto. O outro momento é quando os Bugios se encontram no seu castelo e entram em guerra com os Mourisqueiros. A cada tiro de canhão mais estrondoso todos desatam a saltar de contentamento.

Quanto ao filme, ele existe em fita de cinema. O original foi depositado há anos pelo realizador no ANIM . Arquivo Nacional de Imagens em Movimento, em Lisboa. Uma cópia ficou com ele na altura. Porém num gesto que apraz registar, o Dr. Ângelo Peres doou essa cópia à Casa do Bugio, no final de uma sessão memorável de apresentação do filme, uns dias antes da festa de 2006.
Ao que julgo saber, está a ser planeada uma nova sessão pública de projecção do filme, na altura da festa deste ano. Aqui se dará informação do evento.